date Duas Leitoras | Literatura e entretenimento: Maio 2016

25/05/2016

{Resenha} Dançando sobre cacos de vidro - Ka Hancock

25/05/2016
Sim, demorei a escrever. Não, ainda não me recuperei. Ainda não tenho palavras para descrever esse livro e com certeza será uma resenha difícil pra mim. Antes de qualquer coisa, gostaria de dizer que: detesto gente que fica se pagando de bipolar na Internet, achando que isso é algo legal de se fazer; perdi dois entes queridos para o câncer, portanto essa foi uma leitura especialmente dolorosa de se fazer e eu com certeza deixarei muitos detalhes passarem, simplesmente porque passei a maior parte do livro chorando e não absorvi tudo como deveria.

ENREDO
Acredito que se uma pessoa realmente quer se surpreender com Dançando sobre cacos de vidro, não deve ler a sinopse, pois ela conta muito sobre o enredo. Como eu li a sinopse, não tive grandes surpresas durante a leitura, no geral ele foi bem previsível, mas a escrita de Ka... ah, a escrita de Ka! Minha gente, só alguém sem coração para não se emocionar com esse livro.

Dançando sobre cacos de vidro é a história do amor (im)possível entre Michael Chandler, um homem diagnosticado com transtorno bipolar e Lucy Houston, que vive em uma espécie de corda bamba desde que perdeu a mãe para um câncer e que, por isso, precisa se monitorar frequentemente para não acabar como ela. Após muito ponderarem, eles resolvem ficar juntos, mas não sem antes escreverem regras que não devem ser quebradas, para manter a harmonia do casal.

- Mickey, eu realmente acredito que todo mundo deveria ser importante para alguma outra pessoa neste raio de planeta a ponto de valer a pena lutar por ela. Isso vale para mim também. E ninguém está lutando por mim. Eu desisto.

Em segundo plano, mas de forma alguma menos importante ou explorado, estão as relações familiares entre Lucy e suas irmãs; o casal e a cidade toda. Por morarem em uma cidade pequena, todos se conhecem e é invejável a relação que têm um com os outros. Todos sabem tudo sobre todos, mas não de uma forma cruel e fofoqueira, mas sim bondosa e empática.

dançando sobre cacos de vidro é bom

Se vocês me perguntassem sobre o que se trata esse livro, eu diria: câncer, transtorno bipolar, aborto, infertilidade, e, acima de tudo, amor. Amor em sua forma mais pura e plena.

PERSONAGENS
Lucy é um doce de pessoa e - ao meu ver - extremamente paciente, pois apesar da doença de Mic, teve uns momentos em que eu me perguntei como ela conseguia se manter tão calma. Mas não é difícil de entender, pois Mickey se mostra completamente apaixonado e fiel à sua amada esposa e me fez suspirar não uma ou duas vezes. 

Eu não consegui parar de pensar na Drew Barrymore como Lucy e o Dr. Rey como Mickey  de verdade, eu tentava imaginar um novo rosto pra eles, mas não dava.

Lily, uma das irmãs de Lucy, é quase uma gêmea, apesar de terem alguns anos de diferença. Elas são super apegadas e possuem uma relação indestrutível - ou não. Priss é a irmã mais desapegada, fria e materialista, que tenta se mostrar forte e distante, mas nem sempre consegue. Apesar de ser uma megera na maior parte do tempo, não consegui não gostar dela. 


Em 75% do tempo, ele controla a situação. Não se pode deixar de amar um homem assim. Mas é preciso conviver com a ideia de que em 25% do tempo haverá coisas que podem empurrá-lo para o precipício.

Ron, marido de Lily, é um cunhado e amigo exemplar, sempre ao lado de quem mais precisa. Jan e Harry, o casal da casa ao lado (e pais de Ron) são amáveis e tratam Lucy e Mic como se fossem filhos.

Gleason e Charlotte são, respectivamente, os médicos de Mic e Lucy. Eles agem como se fossem da família, tão apegados aos seus pacientes que é difícil de imaginar que realmente exista uma relação assim no mundo real, mas se existir, bom pra quem a vive. Em geral, eu tenho medo de todo e qualquer médico.

NARRATIVA
A narrativa é bastante ágil, porém dá alguns saltos e precisei ficar bem atenta pra não me confundir sobre o que era passado e o que era presente. A cada capítulo, somos saudados por um trecho escrito por Mic e o restante narrado por Lucy, complementando aquilo que Mickey tinha nos "contado".

- Lucy, todo casamento é uma dança: complicada às vezes, maravilhosa em outras. Na maior parte do tempo não acontece nada de extraordinário. Com Mickey, porém, haverá momentos em que vocês dançarão sobre cacos de vidro. Haverá sofrimento. Nesse caso, ou você fugirá ou aguentará firme até o pior passar.

Acho interessantíssimo isso de haver capítulos que narram o presente e outros, o passado. Complementa a história de uma forma rica e única, sempre nos fazendo imaginar em que ponto aquilo tudo se encontra.

dançando sobre cacos de vidro de ka hancock
Essa mulher ainda me fascina, sobretudo em momentos como este, quando saio do buraco com o cérebro embotado e a primeira coisa que consigo enxergar com nitidez é o seu amor. Todo ser humano que não bate bem deveria ter a mesma sorte ♥
Uma das muitas lições que tirei desse livro é: sempre há alguém passando por algo pior do que nós. Sempre. Todos estamos em algum tipo de luta diária mas, em geral, estamos tão focados em nós mesmos que não conseguimos enxergar o outro, não conseguimos ser empáticos com a dor alheia.

Indico Dançando sobre cacos de vidro para quem gosta de histórias e personagens fortes e reais, muito drama, muito choro e algumas lágrimas de esperança. Indico Dançando sobre cacos de vidro para todos aqueles que acreditam que o amor, o verdadeiro amor, não precisa seguir regras ou ser perfeito para ser incrível. 
Avaliação:


 Top comentarista de maio/2016

23/05/2016

TAG da verdade

23/05/2016
Olá, pessoas!
Como vocês sabem, eu amo responder TAGs. Dessa vez, fui indicada pela Lídia do blog Histórias de uma mente inquieta. São 10 perguntinhas relacionadas aos cuidados que tenho (ou não) comigo mesma. Vem ver:


Você sai na rua de cara limpa? Você se maquia todos os dias?

Sim e não. Uso maquiagem muito raramente. Aliás, saio de casa muito raramente haha de qualquer forma, mesmo quando saio, não ligo muito para maquiagem. Uso quando estou muito inspirada ou tenho algum evento importante.

Você faz academia? Já faltou a academia por preguiça?

Atualmente não, mas quero voltar o quanto antes! Parei quando descobri que estava grávida porque sentia muitas dores, e agora não consigo voltar por motivos de preguiça/pouco tempo/pouco sono haha antes de parar, ia religiosamente e amava. Sinto muita falta!

Quantos minutos por dia você gasta para se arrumar (Banho + maquiagem + cabelo + roupa)? Seu namorado reclama?

Quando vou sair, 1 hora no máximo. Quando não, 20 minutos já são suficientes. Em geral, não reclama, não. Mas às vezes acontece da gente querer sair e eu ficar me enrolando.

Você passa hidratante corporal e protetor solar religiosamente todos os dias?

Definitivamente, não. Como mal saio de casa, não vejo necessidade de passar protetor solar. E só uso hidratante quando a situação tá feia ou quando não tenho nada pra fazer (nunca).

O que você faz quando está num evento e o sapato machuca o pé?

Tiro. Pode ser em público, no banheiro ou sentadinha disfarçada em um canto. Evito salto ao máximo, pois não tenho paciência.

Já aconteceu da sua roupa rasgar, sujar ou manchar durante um evento? O que você fez?

Não que eu me lembre, mas não ligo pra essas coisas. Se fosse algum evento que eu estivesse adorando, não daria bola. Se estivesse odiando, usaria como pretexto pra ir embora.

Já dormiu maquiada alguma vez na sua vida?

90% das vezes em que usei maquiagem na vida, dormi sem retirá-la. A cara de panda no dia seguinte é inevitável, mas confesso que gosto :x maquiagem à la Pete Wentz, sabem?

Qual a cor de batom que você nunca teria coragem de usar?

É difícil dizer, porque eu usaria muitos batons em fantasias e datas específicas, como preto no Halloween. Mas no dia-a-dia eu acho muito feio aquele batom rosa bem clarinho, que parece que quem usa está morta e esqueceu de deitar!

Já sabotou a sua dieta e se arrependeu?

Só sempre. Mas é a vida. Comer é bom e boca foi feita pra cumê, comida foi feita pra cumê, rs

Já fez alguma maquiagem que deu errado ou ficou esquista e só percebeu nas fotos?

Já aconteceu de usar pó mais claro que minha pele e aparecer com o uso de flash, mas não era nada mega perceptível, como se eu tivesse enfiado a cara em um saco de farinha e saído.

E essas foram minhas respostas, gostaram/ se identificaram? Indico as meninas do blog Tô Só Opinando para responder também!

Enquete rápida 
Tenho 3 resenhas atrasadas: Dançando sobre cacos de vidro, Caixa de pássaros e Alameda dos pesadelos. Qual vocês querem ver primeiro?

Beijos!

 Top comentarista de maio/2016

20/05/2016

{TUTORIAL} Olho gatinho azul + preto

20/05/2016
Oi galera! Tudo bom com vocês? 
Hoje vou ensinar a fazer essa maquiagem da foto abaixo, que é super fácil, rápida e linda!

maquiagem azul e preta

19/05/2016

Questionando quotes #1 - Casamento Blindado

19/05/2016
Olá, pessoas!
Hoje vim inaugurar uma nova coluna aqui, que se chama Questionando Quotes.


Eu não sei vocês, mas mesmo quando eu gosto muito de um livro, sempre tem um trechinho que eu acho absurdo, não concordo e quero bater na personagem (ou no autor). Nesse caso específico, eu ainda não terminei de ler Casamento Blindado, mas estou gostando. No entanto, tem algumas passagens que me deixaram indignada, confusa e até mesmo revoltada! Como quem me conhece sabe que eu sou problematizadora, lê-las me fez pensar nessa coluna.

Esse é o quote indignante:
[...]Metade das jovens casadas trai o marido. A saída da mulher de simples dona de casa para um papel mais ativo na sociedade, na faculdade, no trabalho etc., a tem colocado em situação propícia à traição p. 28
Esse é o meu questionamento:

Tá, então quer dizer que o fato da mulher estar em uma posição EM QUE O HOMEM SEMPRE ESTEVE, está colocando-a numa situação propícia à traição!? Isso significa que os homens que sempre estiveram nessa posição, sempre estiveram em uma situação propícia para trair? 

Os autores falharam miseravelmente em tentar culpar a maior participação da mulher no mercado de trabalho pelas traições femininas que ocorrem. Ao meu ver, trai quem não tem caráter. Ponto. Não importa se é homem, mulher, se trabalha ou é desempregado, velho, novo, feio, bonito, gordo, magro. Tanto faz! Traição é coisa de gente sem caráter.

Entendo que esse livro é baseado em conceitos cristãos, em que a mulher deve ser submissa ao homem e ficar cuidando da casa enquanto ele está trabalhando (em uma situação propícia à traição, não esqueçam) e só vou continuar lendo-o porque realmente dá pra tirar coisas boas dele, mas achei, no mínimo, injusto eles quererem dizer que a mulher que não é "bela, recatada e do lar" está mais propícia a trair.

Bem, essa coluna não terá uma periodicidade estabelecida. Voltarei com ela assim que tiver algo mais a questionar :)

Espero que tenham gostado da nova coluna e entendido meu ponto de vista! Comentem aqui se já leram esse livro, se pretendem ler, se concordam ou discordam do quote (e do meu questionamento). Enfim, comentem!

 Top comentarista de maio/2016

17/05/2016

{Resenha} Barbies, Bambolês e Bolas de Bilhar - Joe Schwarcz

17/05/2016
livro barbies e bambolês

Barbies, Bambolês e Bolas de Bilhar
Autora: Joe Schwarcz
Editora: Zahar
Gênero: Ciências Exatas
Páginas: 240
Avaliação: 4/5

Olá queridos e queridas ♥

Hoje resolvi fazer a resenha deste, que é um livro um pouco diferente dos que já foram apresentados por aqui e que não é muito conhecido, mas que tem uma proposta que eu considero muito interessante.

O objetivo do livro é o seguinte:
“Fazer do leitor um consumidor desconfiado, que não embarque em propagandas enganosas e pesquisas sem fundamento”.
O livro é narrado em primeira pessoa pelo autor Joe Schwarcz e é composto por 7 incríveis capítulos que descrevem desde crimes cometidos usando a química até a sua importância na culinária. Esses capítulos são subdivididos em “67 deliciosos comentários sobre a fascinante QUÍMICA do dia-a-dia”.

Sei que sou um pouco suspeita para defender um livro desse assunto, pois, para quem não sabe, eu sou Técnica e Bacharel em Química Industrial e atualmente estou cursando o Mestrado em Química. Mas podem ter certeza que não deixei minha paixão pela ciência afetar muito a minha opinião pelo livro.

O autor inicia o livro contando sobre o seu primeiro contato com a química, que aconteceu quando o mesmo ainda era uma criança. Ele nos conta que ficou muito interessado por um truque de “mágica química” que assistiu em uma festa de aniversário e que a partir daquele dia começou a buscar mais informações sobre essa ciência tão incrível.

Barbies, bambolês e bolas de bilhar

Assim como (infelizmente) todo profissional da área, Joe logo descobriu que nem todo mundo compartilha do nosso entusiasmo sobre as aplicações da Química no cotidiano. E a situação fica ainda pior quando se descobre que as pessoas temem tudo que receba o rótulo de produto químico ou sintético.

Ao ouvir estar palavras as pessoas normalmente pensam em problemas de saúde e em coisas perigosas. Mas será que alguém relaciona a Química com as cores do arco-íris, o desenvolvimento de novos remédios, a conservação de alimentos, aquela make maravilhosa??? Na maioria das vezes a resposta é não, mas isso só acontece porque as pessoas não recebem as informações da forma correta e muitas vezes não buscam questionar o que lhes é apresentado.

Por isso o autor decidiu escrever este livro e por isso ele é tão interessante! Ele mostra, com pequenas histórias, a forma como a química está inserida em todas as áreas de nossa vida. Afinal, a nossa vida toda, desde a nossa concepção até a nossa morte, é uma sequência de reações químicas, assim como tudo que temos ao nosso redor é formado por elementos químicos.

Por que somos apaixonados por chocolate? Como foi desenvolvido o plástico que hoje é tão utilizado? Por que alguns alimentos podem nos manter longe de doenças e outros causam o efeito contrário? Como alguém pode ter usado um suflê de queijo em um crime? Existe alguma verdade na existência dos zumbis? Por que não fazer respiração boca-a-boca no seu cachorro? Comer giz pode fazer bem à saúde? Como funciona o nosso shampoo?

Estas e outras perguntas são respondidas de forma divertida, cativante e acessível mesmo pra quem não tem nenhum conhecimento na área das ciências exatas. Ou seja, é um ótimo ponto de partida para aqueles que são curiosos sobre o mundo ao nosso redor.

O ponto mais abordado no livro é a questão de que não podemos assumir que tudo que é apresentado como natural seja seguro, já que temos muitos venenos provenientes de fontes naturais. Assim como não podemos temer tudo que é sintético, pois devemos a vários desses produtos a cura de doenças e a resolução de muitos problemas ao longo da evolução humana.

Livro Barbies, bambolês e bolas de bilhar

Por exemplo, quando você ouvir por aí que tal restaurante serve apenas alimentos livres de substâncias químicas, seu primeiro pensamento deve ser: "Mas que besteira eles estão dizendo?"

 Afinal: "uma refeição sem substâncias químicas não seria boa coisa, 
a não ser que você goste de comer vácuo."

Se os jovens de hoje não recebem instrução básica em como a ciência afeta nossa vida, teremos como consequência adultos consumidores que aceitam qualquer tipo de baboseira que for apresentada na mídia. Vocês acreditam que várias pessoas assinaram uma petição para banir o monóxido de diidrogênio (água)??? Pois, acreditem ou não, este é apenas um dos casos apresentados pelo autor para defender a ideia de que todos devem ter o mínimo de conhecimento em ciências para não ser manipulado pela mídia e pelas grandes empresas que visam lucrar em cima da ignorância da população.

Em resumo, o que o livro quer nos dizer é que é impossível viver em um mundo livre de Química e que é uma grande besteira acreditarmos que a ciência é uma coisa 100% boa ou 100% ruim. Aqui vale aquele velho ditado: A diferença entre veneno e remédio está na dose. Então, o certo é tentarmos buscar o conhecimento sobre o que nos é apresentado para poder avaliar o que é verdade e o que é apenas uma tentativa de manipulação da mídia e das grandes empresas.

AVALIAÇÃO DA DIAGRAMAÇÃO

► As folhas são brancas (o que eu não gosto muito), mas com uma boa margem e tamanho de letra adequado. Os sub-capítulos são super curtinhos, algo em torno de 2 páginas, e como cada um conta uma história diferente a leitura se torna muito rápida. Apesar de tratar de um assunto que muitos podem considerar complexo, o autor utiliza uma linguagem simples e divertida. Como vocês podem ver, a capa é bem alegre e cheia de indicações sobre o que está por vir na história 

► Bom, pessoal, já li vários livros que têm essa mesma ideia e que são ótimos, como: Os botões de Napoleão, Tio Tungstênio e A colher que desaparece. Porém, este do Joe é o que tem a linguagem mais simples e acessível e, por isso, considero um dos melhores para curiosos iniciantes. Vou deixar o link para as primeiras 20 páginas pra que vocês possam ter uma ideia melhor de como é o livro: Barbies, Bambolês e Bolas de Bilhar - Zahar

E é isso!!! Espero que tenham gostado da resenha e que se interessem mais pela prática de questionar, pois ela nos leva a lugares incríveis e descobertas maravilhosas 

 Top comentarista de maio/2016

14/05/2016

{Resenha} Se eu fosse a Cinderela - Gislaine Oliveira

14/05/2016
Olá, pessoas!
Na postagem sobre as parcerias firmadas em Abril, eu os apresentei algumas autoras, entre elas a Gislaine Oliveira, autora de alguns romances e outros contos. No Book Haul de abril eu mostrei que recebi o livro Se eu fosse a Cinderela para ser resenhado e muitas pessoas comentaram que ele tem uma capa muito fofa - o que é muito verdade!

Porém, a capa não é a única qualidade desse livro curtinho que li em poucas horas. Continue lendo para descobrir o quanto e por que a literatura nacional está me encantando cada vez mais:


conto-de-fada-nacional

11/05/2016

{Compras + recebidos} Abril/2016

11/05/2016
Em total contraste com o Book Haul de abril, que foi cheio de livros novos, nesse mês que passou teve poucas coisas novas. Pra ser exata, apenas duas. Em compensação, foram duas coisas que eu estava querendo há muito tempo e que estão sendo muito úteis!

Compras e recebidos de abril/2016

09/05/2016

{Viagens} Diário de um intercâmbio: parte 2

09/05/2016
Oi povo, tudo bem???
Primeiro quero pedir desculpas pela demora em postar a segunda parte do diário. Eu queria muito ter postado antes do fim de semana passado, mas tanto o Mestrado quanto o casamento dos meus cunhados ocuparam a maior parte do meu tempo e eu não consegui =/ ... Mas vamos logo, que eu sei que tem gente ansiosa pra saber o que foi que aconteceu!!!

Se vc não lembra do que aconteceu anteriormente ou se você chegou hoje por aqui e não faz ideia do que eu estou falando, este é o link para a Parte 1 do diário ;)



Nossa primeira manhã em Bloomington foi cheia de emoções. O Anthony (querido) tinha nos avisado que deveríamos ir até o departamento fazer as matrículas e pegar nossos horários para a prova de nivelamento, então levantamos bem cedinho pra sair pelo campus procurando o prédio que ele havia mencionado.
A neve tinha coberto carros e tudo mais que estava pelas ruas e o frio continuava nos castigando. Pra não morrermos congeladas decidimos pegar um ônibus na frente do prédio e ir seguindo o caminho dele no mapa pra encontrar o departamento de inglês (IEP). Por incrível que pareça conseguimos pegar o ônibus certo e seguimos com um bando de americanos falando pra caramba, tanto que até poderia me sentir no Brasil se estivesse entendendo alguma coisa que eles falavam, o que não era o caso hahahaha.

Estava indo tudo bem, até que avistamos o prédio, acionamos o sinal de parada do ônibus e nos posicionamos perto da porta de saída. Como esperado o ônibus parou no ponto, mas teve um pequeno probleminha... A porta não abriu.. O que?? Como assim?? Ficamos ali paradas com caras de boba, muitos americanos nos olharam nessa hora e após alguns instantes o ônibus seguiu com a gente dentro. Cômico se não fosse trágico kkkkkk. Resolvemos então observar os nativos e graças a Deus um rapaz desceu logo no ponto depois do nosso e adivinha??? Ele empurrou a porta e ela se abriu.
Enfim, depois desse mico básico a gente saiu no ônibus e teve que caminhar só um pouquinho no frio congelante pra chegar ao nosso destino.

Ao chegarmos no Memorial Hall, prédio onde ficava o IEP ficamos encantadas mais uma vez com a arquitetura maravilhosa do campus. São edifícios tão magníficos que até te inspiram a estudar e a passar o máximo de tempo possível por lá.

IEP

06/05/2016

O incrível (un)Inverso criado por Karen Alvares

06/05/2016
Cês entenderam o trocadilho né, gente?
Tô cheia dos trocadalho do carilho ultimamente, mas aquele velho pedido não desiste de mim permanece.

Já tinha lido algumas resenhas desse livro e ele tava lá na minha listinha de quero ler do Skoob, então quando a Editora Draco lançou uma ação de parceria para leitura de alguns e-books e ele estava no meio, não pensei duas vezes antes de solicitá-lo.

SINOPSE: E se do outro lado do espelho estivesse a vida que você sempre desejou?
Lá no fundo, Megan não quer ser quem é e nem viver essa vida triste, exatamente o inverso daquela que sempre sonhou para si. Tudo começa com a morte de sua mãe. A sensação terrível de que algo nunca mais vai ser como antes. E não será mesmo. O seu único alento é o carinho da irmã, que a vê como o que gostaria de ser quando crescer.

Mas há um novo mundo do outro lado dos espelhos. Um mundo igual ao seu, só que ao contrário. Um mundo perfeito onde as pessoas que morreram estão vivas e Megan é exatamente a garota que deveria ser.
Entrando nessa realidade pelo avesso, Megan começa uma perigosa busca por si mesma onde o reflexo de tudo que há de ruim tentará detê-la. Enquanto segue em frente ela deverá garantir a segurança das pessoas que mais ama.
Inverso é um romance cheio de suspense de Karen Alvares, autora de Alameda dos Pesadelos. Em um labirinto de escolhas sem poder sequer distinguir a própria imagem, Megan deverá lidar com a perda enquanto descobre quem é a garota que a encara no espelho.


Resenha do livro Inverso de Karen Alvares

05/05/2016

{Book Haul} Abril/2016

05/05/2016
Abril foi um mês LOTADO de livros novos, tantos que eu já nem sabia direito aonde colocá-los (sempre deixo os novos do mês separados). Por um lado, é delicioso. Por outro, é desesperador. Sabe-se lá quantos meses/anos vou demorar para ler todos os livros que tenho. Preciso de um tratamento para viciados em comprar livros, será que existe?
Pretendo fazer uns desapegos por aqui, o que acham da ideia? No comecinho do blog eu fazia, quem sabe ressuscitar a ideia será bom :)

livros recebidos em abril

03/05/2016

Top comentarista Maio + Resultado Top comentarista abril

03/05/2016
Pessoal, antes de mais nada quero fazer algumas considerações sobre o top comentarista de abril
Eu considerei, mas a partir desse mês de maio vou desclassificar sem dó quem fizer comentários superficiais, que mostram claramente que nem 1% da postagem foi lida. Eu passo boa parte do meu tempo em frente a um computador buscando e criando conteúdo, eu gasto dinheiro enviando prêmios pra quem está sempre presente, então o mínimo é presentear apenas quem participa de verdade. 
Vão por mim: eu passo muito mais tempo escrevendo, tirando e editando fotos para as postagens do que vocês lendo e comentando algo referente a elas, ok?
E as regras também serão modificadas, então por favor leiam antes de comentar.

O prêmio desse mês vai ser escolhido pelo vencedor!


01/05/2016

Parcerias firmadas em Abril/2016

01/05/2016
Olá, pessoal!
O mês de Abril foi cheio de novidades, a começar pelas parcerias que o Duas leitoras firmou! Tem autoras, tem blog e até grupo no Facebook. É indescritível a sensação de receber um e-mail ou mesmo uma mensagem no Facebook ou Instagram dizendo que fomos selecionadas para uma parceria. Isso significa, claro, que estamos fazendo bem o nosso trabalho. E isso dá um gás para continuar melhorando sempre. Assim sendo, muito obrigada aos leitores do blog e a quem confiou em nosso trabalho a ponto de firmarmos uma parceria.

Parcerias com autores nacionais

Vamos ver o que teremos de novo a partir de agora?